Shopping

quarta-feira, 17 de setembro de 2008
Artesanato de Antonio de Castro

Sábado fui a uma entrevista de emprego. A história começou quando, na segunda-feira, recebi um telefonema marcando uma entrevista no shopping no sábado (13/09). De começo já estranhei. Uma entrevista de emprego num sábado? Num shopping?

Mas fui. Parecia ser algo bom. A ver com uma atividade que eu faço onde trabalho atualmente que poucas pessoas sabem fazer. Cadastro em software de laboratório. Aqueles treinamentos que eu estava tendo desde a época que terminei namoro... Enfim, agora eles deram frutos melhores.

Pensei que por ser uma empresa de Curitiba e o cara ter combinado assim, em um shopping, numa atividade que eu sabia que não era muito comum, o emprego já estaria mais ou menos certo.

Mas, quando cheguei ao local marcado, ele estava terminando uma outra entrevista, com um cara muito mais velho que eu e que devia ter muito mais experiência. Comecei a ficar chateado desde aí.

Quando chegou a minha vez ele já começou me explicando que eu não era a melhor opção, pois o que ele precisava era de pessoas qualificadas que trabalhassem com laboratório de calibração e não de ensaio, que é o que eu trabalho.

Laboratório de ensaio era da alçada do sócio dele, que estava em Curitiba. Ele havia me chamado para entrevista porque eu era o único selecionado que conhecia o software. Então ele queria levar para o sócio dele meu currículo e minha pretensão salarial para o sócio dele e dizer: “Então, tem um rapaz lá no Rio, novinho, que gosta de trabalhar com isso, só que ele tem uma restrição: ele faz faculdade ainda. Eu sei que a nossa prioridade é contratar pessoas formadas porque vão poder viajar a trabalho, mas ele além de já ter experiência e gostar disso, vai sair um pouco mais barato para a gente. Talvez valha a pena contratar alguém para ficar só no Rio desse jeito.”

Quando ele terminou a descrição dele do que eu seria como profissional não sabia nem o que dizer. Então ele me perguntou minha pretensão salarial. Eu tinha ido com um valor, mas depois que ele me pintou como um médio problema, com poucas chances de ser contratado – um funcionário não-formado e com uma restrição – não pude deixar de diminuir esse valor.

Diminui, ainda que estivesse pedindo mais do que recebo hoje em dia onde trabalho. Ele não expressou nada ao eu dizer o valor, anotou no laptop dele e terminou a entrevista por ali.

Em mim ficou um sentimento de que eu pedi muito pouco. Que ele deve ter achado até graça do valor que eu pedi. Enfim... Foi minha primeira entrevista de emprego e eu já saí frustrado.

7 críticas:

Leo disse...

Ai kra, é assim mesmo!
Eu quando tinha que dar preço de serviços sempre errava! Ou pedia uma fortuna, e não fechava, ou pedia pouco e trabalhava pacas pra ganhar uma ninharia! Essas coisas você vai aprendendo com o tempo.
Hoje em dia eu digo que prefiro cobrar caro e não fechar.
Talvez você devesse manter o valor que tinha imaginado a princípio. Se o cara achasse caro, provavelmente ía regatear.
De qualquer forma, pode ser que dê certo, né? Você ainda vai ganhar mais do que ganha hoje e, conforme for, depois tenta um aumento!
bjs e boa sorte :D

Talvez eu conte... um dia. disse...

Bom, como eu nunca fui a uma entrevista de emprego, nem posso opinar muito né?
Hahahahha
Boaa soteee

Nadezhda disse...

Frustrante é nunca ter sido chamada para uma entrevista de trabalho. (De todos que já procurei).

Quanto ao salário, minah irmã sempre pergunta pro meu pai qual ela deve dizer, ahaha.

;)

Râzi disse...

Não fica frustrado meu lindo!!!

As coisas poder te surpreender!!!

E o post tá lá!

:D

Mas não vá esperando muito! Acabou ficando pior que mediano...

:(

Beijo!

Jarbas disse...

dizem que não é legal trabalhar em shopping.

eusopensoemsexo disse...

Caraca, q viajemseu blogger...
Voltei uns 15 anos naminha vida c esta história da 1a entrevista...
E o Título de seu blogger tb é muito bom. Parabéns...
E sobre empregos..rs..vai ser assim SEMPRE!!!
Tomara né? p vc ñ parar nunca...
Vamo evoluir....
Abraço, boa sorte e sucesso!

BinhoSampa disse...

cara, tudo é imprevissível nesses momentos...talvez vc tenha pedido pouco mas a empresa possa te oferecer mais... o que vai fazer vc ser aprovado é se realmente se encaixa no perfil necessário, caso contrário não há jeito....

O negócio é aguardar... mas não crie espectativas... se pintar...boa...se não...parte para outra...

Boa sorte