Saúde

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009
Artesanato de Antonio de Castro

Todos os dias eu saio de casa e volto e vejo em dezenas de pessoas a pessoa que vai me fazer feliz.

Seja o menino da faculdade, que namora a menina que volta da escola com a condução da Tia Silvana. O menino da internet que eu nunca toquei e que me faz rir tanto. Seja o menino que não cumprimenta ninguém na sala de aula. Seja o vigia da empresa onde eu trabalho. O atendente da loja de conveniência que eu freqüento.

Todos. Todos fazem com que eu me sinta alguém só com um sorriso que eles nem sabem que tem tanta importância.

Se o menino que me traz problemas um belo dia me liga, eu sou a pessoa mais feliz do mundo. Mas se ele não me liga no dia seguinte tenho tendências suicidas. Se meu amigo hetero fala em irmos juntos para o trabalho, tremo dos pés à cabeça e me perfumo mais do que de costume, mas se no caminho ele fala de outras mulheres, eu desato a comer. Desesperadamente.

É sempre a mesma história. E eu já devia ter aprendido que essas paixões imbecis que nascem em mim assim, do nada, só me fazem mal. Sói me levam para o fundo do poço. E eu nem tenho motivos para isso. Para o fundo do poço.

Eu estudo o que quero, numa faculdade boa, como muitas pessoas desejam. Eu trabalho e ganho relativamente bem para um menino de 19 anos sem formação superior. Eu tenho saúde, quase nunca fico doente. Minha família também. Vivemos sem grandes problemas, sem grandes conflitos. Tenho amigos com quem posso conversar às altas horas da madrugada quando preciso.

Não há motivos para tanta infelicidade. Parece até coisa de criança. E talvez seja. Talvez seja isso mesmo. Infantilidade. Falta de maturidade para entender o mundo que eu mesmo crio ao meu redor. Admito.

Mas estou disposto a tentar entender. A olhar para esse mundo e ver as cosas boas. Ver as ruins como aprendizado. E me valorizar. Tantas pessoa vêm me dizendo isso. Sempre. Mas acho que a conclusão só acontece quando a gente mesmo quer, não é? É preciso você acordar e pensar em tudo. No valor de tudo isso. E no valor de tudo o que torna o seu mundo aquela infelicidade.

Não desmereço a existência de uma companhia. Um amor. Isso é necessário. Mas talvez eu não esteja pronto para um amor agora. Talvez faça besteira, caso o encontre agora. E eu não quero fazer besteiras. Não perdi as esperanças. Elas só aumentam. Mas sinto que estou entendendo a ordem das coisas.

Antes de mais nada tenho que me amar. Para ser digno do amor de uma outra pessoa que também se ame.

Não acho que será fácil. Não. Mas estou disposto.

E como estou...

Ouvindo: Saúde – Rita Lee

11 críticas:

Leo disse...

antes tarde do que nunca! :p

Nadezhda disse...

Estar disposto já é alguma coisa né.

"Todos os dias eu saio de casa e volto e vejo em dezenas de pessoas a pessoa que vai me fazer feliz."

Sinto isso. Mas nunca fazem.

;)

Jan disse...

Concordo com a Nadezhda, estar disposto sempre ajuda. e posso te dizer que vc é mais um em uma enorme multidão com esses sentimentos.

Adoro seus textos...
bj

Rodrigo disse...

Eu me identifiquei um pouco com o seu texto, mas acho que pra mim está passando essa fase. Mas não acho que seja infantilidade e sim solidão.

Candy disse...

Você realmente falou tudo. Assumiu que tem um problema e ainda expôs a solução para ele. Você talvez não consiga enfrentá-lo assim de cara, mas na hora que começar a te aborrecer seriamente, você vai mudar. O tempo as vezes é o nosso melhor amigo.

Ahhh e tudo isso que você disse que tem, não é o bastante, pelo menos não pra você e não deve se preocupar em achar que essas tristezas são coisas de criança. Cada um é de um jeito.

Bgs

Rafaela Abreu disse...

Recebi um prêmio e te indiquei''''

Passa lá...

A.azul disse...

vou te propor uma coisa:
não ta afim de postar no meu blog não?! to meio que sem tempo e com medo de ir abandonando cada vez mais..
manda um email se aceitar a proposta.. =]

Autor disse...

É isso aí, mocinho!
Como alguém quem ainda nem te conhece direito vai te amar se vc mesmo não se ama?
;-)
Pense nisso!
As conclusões podem ser esclarecedoras!

Bjão

Monsieur M. disse...

Oi, querido!!

Tenho uma indicação dupla pra ti lá no meu blog... Aparece por lá pra conferir!!

Assim que der, volto pra ler as novidades!!!

Bjs!!!

Paul disse...

Isso mesmo! Vamos nos amar primeiro e parar de sofrer!!
Hahahahaha
Adoro esses lapsos de sabedoria q as vezes temos!!

Klero disse...

definitivamente... corretíssimo