So down

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008
Artesanato de Antonio de Castro

Dias difíceis no trabalho. As coisas não andam bem, meu trabalho está sendo constantemente prejudicado pela péssima atuação em liderança da minha chefe e por sua total incapacidade de tomar decisões importantes da maneira certa.

E isso infelizmente afeta mina vida pessoal.

Eu tenho o terrível defeito de levar meu trabalho ou qualquer atividade profissional que eu exerça muito a sério. Acontecia enquanto eu só estudava e está acontecendo agora que eu adquiro cada vez mais responsabilidades em meu ambiente de trabalho.

Passo os meus dias com o insistente amigo que não me deixa um segundo sequer. O insistente e infeliz, e não estou falando do meu amigo hetero. O estresse. Não deixa de me fazer companhia esse maldito estresse. A cada dia, a cada minuto, a cada cobrança daqueles que são os verdadeiros responsáveis pelo caos que se instalou no meu serviço.

Ando dormindo mal e pouco. Ando de mau humor com maior freqüência que o normal. Ando menos esperançoso da vida. E essa esperança só faz diminuir com os acontecimentos que se seguem.

Ontem, às 20:20 h decidi que não entrarei mais, eu disse nunca mais, no meu msn para conversar com homossexuais. A coisa pode até funcionar bem para eu conhecer histórias e pessoas e me divertir de vez em quando. O que ocorre, entretanto, é que não estou preparado psicologicamente para isso. Não tenho maturidade o bastante para desenvolver uma amizade por meio do computador.

Tenho andado falando com mais um dos que me deixaram plantados esperando. Dando uma segunda chance a outra pessoa depois do encontro maravilhoso que eu tive no sábado. Marcamos para quinta-feira à noite, depois do expediente.

Saí o mais cedo que pude e já estava em casa às seis da noite. Conversei com ele e ficou acertado que nos veríamos dali a uma hora. Me preparei todo. Fiz a barba, depilei o peito e a barriga. Limpei meu ânus da forma mais higiênica possível. Tudo para ter um bom momento sexual, como eu estava aguardando.

Estava no local marcado, na hora marcada. Todo arrumado e ansioso para o que eu encontraria. Esperando. Vi vários casais se encontrarem e irem embora várias vezes de várias maneiras. E eu fiquei ali. Esperando com a fé de uma beata. Uma hora ele apareceria.

Afinal de contas da última vez o que houve entre nós dois não foi nada senão desencontro. Ele chegou quando eu já tinha ido. Ele iria sim. Mas não foi. E isso eu percebi quando já estava lá há 50 minutos.

Longos 50 minutos em que esperei um desconhecido qualquer para ter duas horas de sacanagem, do tipo mais genuíno. Só sacanagem e mais nada.

Esse não era eu. A que ponto eu chegara... Estava envergonhado de mim. Com raiva de ter deixado a situação, a falta de alguém na minha vida, me levar para um ponto daquele. De estar às 20:20 h completando 50 minutos de espera por algo que seria nada mais que sexo com um desconhecido. Minha mãe achando que eu estava na casa da minha amiga.

E agora eu nem sabia o que fazer. Só tinham se passado 50 minutos que era muito tempo para esperar alguém que nem se sabe se vai comparecer, mas pouco tempo para ir à casa da minha amiga como eu tinha dito para minha mãe. Não daria para eu voltar para casa. Arrumado, cheiroso, dizendo que eu fora e voltara da casa da minha colega naquele curto período de tempo.

Fui ao shopping. Sozinho. Mas dessa vez havia esse agravante, estava deprimido, consciente de que a minha carência era tanta que me fez acreditar que um relacionamento virtual pode se tornar algo a mais na vida real. Estava sozinho, vendo os casais a cada corredor do shopping, os amigos. E eu não poderia contar para ninguém. Nenhum amigo.

Tão difícil.

Andei todo o shopping e menos de uma hora e comecei a ver as mesmas vitrines pela segunda vez. Sozinho. O tempo ainda não era suficiente. Deixei a idéia do shopping de lado e fui para estação de metrô esperar o tempo passar, olhando os metrôs chegarem e partirem. As pessoas entrarem e saírem.

Foram longos 30 minutos dessa vez, observado o vai-vem de pessoas que sem do shopping e vão para casa e vice-versa. Voltei para casa e só o que fui capaz de fazer foi trocar de roupa, me cobrir e tampar a cabeça e dormir quando sono chegou. Até o sono chegar fiquei secando as lágrimas que escorriam dos meus olhos com vergonha de mim mesmo. Vergonha do quanto sou infantil, do quanto me falta de experiência.

Do quanto sou azarado. Me perguntando quando será que vou encontrar alguém que goste de mim e que seja suficiente para mim. Quando vou ficar satisfeito e se algum dia ainda vou ter a chance de ficar satisfeito. Tem sido difícil arranjar até alguém só para transar. Que dirá de algum relacionamento sério.

De uma coisa já tenho certeza quanto a essa pessoa esperada. Não conhecerei na internet. Será algo que acontecerá na vida real, caso aconteça.

6 críticas:

Nadezhda disse...

Você não está apostando demais nas coisas?

Vai com calma. Absorva mais as pequenas coisas, deixe que elas aconteçam naturalmente.

Quanto aos relacionamenstos de internet, muitas vezes só servem pra dor de cabeça mesmo ;)

Talvez eu conte... um dia. disse...

Eiita raapaz! Respira fuundoo, e vamos pensar!

Não sinta vergonha de você ou das coisas que anda fazendo... pegue essas experieências e transforme-as em aprendizado!

Eu acredito que todas as pessoas tem 2 botões relacionados ao amor! Um preto e um vermelho! O preto está relacionado a idéia de crescer, de amadurecer, e aprender a ser feliz sozinho! O vermelho relacionamos com aquela pessoa que vai nos trazer alegrias, momentos lindos, alegres e um pouquinho de sacanagem também, porque ninguém é de ferro...
Por muito momentos achei que o meu botão vermelho tava quebrado, ou pensava e perguntava a Deus o por que dele ainda não ter apertado o meu botão vermelho, considerando que todos ao meu redor amavam e eram correspondidos!
Mas daí um dia parei pra pensar e vi que eu nao dependia de ningueeem pra ser feliz, e muito menos tinha que ter sexo na minha vida só pr ter... na verdade eu tinha que aprender a ficar sozinha, e esperar o meu momento!

Talvez seja isso... o seu momento ainda nao chegou; talvez você nao estja preparado... quando a gente procura demais, raramente acha o que quer!
Pensa nisso... e tenha calma!

Goiano disse...

cara eu adoraria q vc fizesse um gay guru ... e qdo fizer avisa q divulgo!

MAS COM RELACAO AO POST : eu me sinto assim tbm... mas apostar em coisas pela net
nao é o melhor negocio
vc precisa de alguem real


me add no msn homeshh@hotmail.com

bjos

Fláh disse...

"deixa acontecer naturalmente, eu não quero ver você chorar, deixa que o amor encontra a gente"
Conhece?
Pois é, considero verdade, busca alguem só pra ter aquilo no momento nao compensa, vc não qr só um momento vc qr companhiaa.
Ela vem, pode saberr.

:)

Goostouu da nova cara do blog?
que bommmm.

Menina da lua disse...

E quem tem experiência, 'pequeno-grande'???
Desejo p/ vc, o q disse Drummond.... "Não basta sentir a chegada dos dias lindos; é peciso proclamar: Os dias ficaram lindos!"

Dias lindos chegarão, tenha certeza!


Forte Abraço.

A.azul disse...

casar? se dependesse dela eu casava na hora. mas acabou, depois de hoje eu acho que sim..
depois de uma conversa que tivemos, a cumplicidade que existia, da parte dela nao há mais.
fui tratado MUITO mal.

e dói..
mas obrigado por se interessar, a vida continua e no resto vai tudo ótimo! ^^