Vôo livre

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008
Artesanato de Antonio de Castro

Não sei se eu é que nunca imaginei que meu amigo hetero na verdade não era tão hetero ou se nunca consegui me expressar direito para os leitores e comentadores mais recentes do blog.

Não consigo ver uma chance que seja de ele ser homossexual, de ele estar mentindo apesar de às vezes achar a maneira como ele me trata muito estranha. O que ocorre é que ele é estranho.

Ao saber da sexualidade daquele meu amigo, o que decidiu assumir a homossexualidade que não era novidade nenhuma, soube também que um dos primeiros a saberem fora justamente meu amigo hetero.

Quem me contou foi o próprio garoto que se assumia. Disse que preferiu contar logo para ele porque tinha medo de que, com todas as brincadeiras estranhas do amigo hetero e maneira de ele o tratar, em algum momento ele (o assumido) pudesse fazer coisas que deixassem o amigo hetero com raiva.

A todo esse parágrafo desconexo traduz-se: o assumido assumiu para o amigo hetero porque temia que um dia o hetero o pegasse olhando sua bunda ou seu pau e ficasse com raiva porque é hetero. O motivo pelo qual ele me explicou que em algum momento poderia fazer algo do tipo era porque o amigo hetero tem “aquele jeito carinhoso de tratar”.

Enfim, apesar de ter certeza de que ele não trata todo mundo com tanta atenção quanto me trata, porque afinal de contas ele nunca ofereceu a nenhum homem um hambúrguer durante uma viagem de carro e comprou uma latinha de coca cola até que chegassem ao sanduíche propriamente dito... apesar de saber de tudo isso, sei também que ele é hetero, meu amigo hetero não pode ser nada mais que hetero.

Paro para pensar no assunto e não consigo absorver todas essas opiniões de vocês. Às vezes chego a pensar que eu posso estar vendo tudo distorcido, me enganando só porque não quero me iludir e sofrer de novo, enquanto vocês estão vendo os fatos frimanete e analisando da maneira correta. Quando penso isso fico muito feliz, mas depois fico com pena de mim.

Pena porque no fundo prefiro esquecer as outras conversas durante a viagem: a mulher gostosa que entrou no metrô, a transa mais gostosa da vida dele, sua tara por uma boceta grande, seu trauma com bico de peito com pêlos e tudo o mais.

Conversas de homem.

Prefiro esquecer que ele tem namorada e que eu gosto da namorada dele, a acho uma simpatia e tenho pena dela também porque ele não a merece.

Aí começo a pensar que ele não merece nem minha amizade. Pode ser que todo esse jeito carinhoso que confundiu o assumido e que me super confunde a cada dia seja algo consciente da parte dele.

Ele pode ser do tipo de pessoa curiosa que enquanto não tinha certeza que o assumido era realmente gay não desistiria e faria de tudo. Até seduzi-lo. Vai ver ele me trata desse jeito porque acha que tem algo que deve descobrir de mim, acha que eu vou ser tão fraco quanto o assumido para contar-lhe algo que eu escondo a sete chaves de todas as pessoas que me conhecem.

Faz de tudo. Passa a mão na minha perna e depois finge que é brincadeira. Só fala dos homossexuais e quando me pergunta o que acha de beijo gay em lugares públicos eu respondo que sou contra defende e põe como exemplo dois amigos que descobrem que sentem um pelo outro algo mais forte que só amizade.

Me faz carinho com a barba. Roça a barba grossa da parte inferior do rosto, a parte do queixo, em meu antebraço até a minha pele ficar irritada. Só falta me beijar.

Tenho que tomar cuidado, para não sofrer de novo. Algo como foi na época de escola quando meu amigo hetero daquela época me beijou quando estava bêbado e nunca mais tocou no assunto. Tenho que tomar cuidado para não cair de amores. Tenho que acreditar desacreditando.

Desse amigo hetero de tempos atrás fiquei sabendo hoje. Uma amiga o encontrou e disse que a primeira pergunta dele foi como eu estava. Sentia falta de mim e vontade de me deixar um scrap. Só tinha medo de eu não responde-lo. Mal sabe ele que ainda espero um scrap dele, ou que nem espero mais para não me decepcionar todas as vezes que entro no orkut.

Mal sabe ele o quanto ficava feliz quando ele me ligava só para conversar mesmo enquanto ainda namorava meu ex-namorado, mesmo quando estava apaixonado por outro.

Vou esperar. Agora que ela me falou de todo esse interesse dele, vou esperar um scrap. Uma, duas, três semanas no máximo. Passado isso, vou viver minha vida e esquecer que ele algum dia existiu, até ele aparecer novamente na forma de um espectro maldito.

Vejo minha queda por heteros, minha queda por gostar de sofrer. Será que já não é o bastante o fato de eu ser homossexual e ser diferente de tudo o que a sociedade espera de mim, ainda tenho que esperar amor de uma pessoa que não sente atração por pessoas, digamos, do meu sexo?

Será que eu nunca vou aprender?

Só para terminar: o assumido disse hoje para mim que meu ex-namorado o chamou para ir ao cinema e eu descobri que sentimento é esse que tomou conta de mim. Inveja.

Por ele ter encontrado alguém para me substituir antes de mim.

7 críticas:

Nadezhda disse...

Eu não conheço, então não posso dizer. Mas o comportamento carinhoso dele é bem estranho, para um hetero.

Esse sentimento de inveja deve ser normal. Pois quando soube que meu ex-namorado tinha encontrado alguém antes que eu, senti isso também.

;)

Râzi disse...

Ai... cada vez que vc fala desse comportamento dele eu fico mais desconfiado.. e essa coisa de falar de mulher, de sacanagem... de ficar te testando...

Meu querido, vou te dizer uma coisa. Um homossexual que não se aceita, que luta contra si é perigoso para quem quer amá-lo. Mas uma pessoa que calcula as coisas que faz, que sabe de si mas não admite vier um amor, mesmo sentindo-o e que fica a espreita pra poder tirar o melhor proveito, sem se expor, esse é fatal!

Eu recomendaria, se desse,que se afastasse, mas sei que as coisas não são assim...

Paixão por héteros? Duvido que´já teve mais que eu. Onde trabalhava na época de adolescência, a cada anos entrava mais um... novo, bonito, atencioso... e foi assim...

O pior dele é que sente a atração que vc sente e se aproveita... nao tive a sorte de ter um que me pagasse lanches, pelo contrário, sempre me pedia dinheiro emprestado e nunca pagava... mas com 16/17 anos, a gente é muito bobo quando está apaixonado...

Meu lindo, nem sei o que te dizer mais, além de que senti uma simpatia enorme por vc!

Beijão!

Râzi disse...

Menino, escrevi tão rápido que cometi montes de falhas de dedo e de lógica na narrativa! Perdão!

:D

Goiano disse...

huahua eu li sei texto
e so pensava em uma coisa
"sera que alguem desconfia de mim e eu nao sei..."
uhahauh eu juro que sou paranoico

Kamilla Barcelos disse...

O comportamento de seu amigo hetero é estranho, mas como eu não o conheço pessoalmente não dá p/ eu ter todo e qualquer julgamento sobre ele.
Mas como vc já sabe, q eu simpatizei mto com vc e seu blog, estou torcendo p/ dar tudooo certo na sua vida amorosa!! Vc é uma pessoa iluminada!!

Beijãoooooooooo

Menina da lua disse...

Será q vc não está se preocupando de mais em se poupar?!
Pq não arriscar? medo de sofrer???
O sofrimento passa. A vida é agora, rapz. Vai!

Abraço carinhoso

Goiano disse...

huauhhua atualiza moço... descreve mais esse amigo pseudo-hetero