Tendências

sexta-feira, 9 de maio de 2008
Artesanato de Antonio de Castro

A terceira aula na semana que eu não assisto. Só lamento por isso. Hoje fui à universidade, tentei assistir a primeira aula, mas além de não ter dúvida alguma de cálculo para tirar antes da primeira prova, quarta-feira que vem, ainda comecei a passar muito mal.

Foram quarenta minutos andando para cima e para baixo pelos andares da UERJ, vendo a vista do 12º andar e conhecendo o que até então não tive tempo de conhecer.

Meu estômago parece que vai se desfazer. Estou aos poucos morrendo com a gastrite. Tudo bem, uma boa parcela aí é exagero, mas a gastrite está realmente atacada. Stress no trabalho, na vida pessoal e dificuldade na faculdade.

A festa na casa do gay maconheiro foi comentada. Mais que isso, a presença do meu amigo hetero nessa festa foi o assunto principal de pessoas que eu nem sabia que prestavam atenção nele.

De repente a festa de aniversário se transforma numa comemoração íntima regada a drogas, bebida e homossexualismo. Se meu amigo hetero não usa drogas, nem de vez em quando, não bebe excessivamente e não é homossexual; o que ele estava fazendo com outras três pessoas que se enquadram em pelo menos uma dessas características?

É o que todos vinham me perguntar hoje, sabendo de nossa proximidade e imaginando que eu saberia responder. Até que uma menina veio me falar que tinha certeza que ele, meu amigo hetero, tinha tendências homossexuais, que as brincadeiras dele com as mulheres não eram espontâneas e que o jeito que ele me tratava tinha muito mais carinho do que em uma relação de amizade aceitável.

Eu não soube nem o que responder. Afinal eram as mesmas dúvidas que eu vinha tendo esse tempo todo. E se não era só eu então não era tanta loucura quanto eu imaginei. Tentei defende-lo e fazer com que tudo não passasse de impressão. Ela não ficou convencida.

Fui perguntar àquela nossa amiga em comum o que ela achava disso e ela disse que também já chegou a achar que ele era gay, mas que não pensava mais isso. Eu também não. Eu gostaria que ele fosse, mas infelizmente ele não é.

Quanto a ele, ficou falando que não vu nada demais na reuniãozinha e ficou com raiva quando eu e essa nossa amiga dissemos que a casa daquele garoto não era lugar saudável para ele. Uma coisa era aquele grupo ir e ficarem fumando e bebendo a madrugada inteira, eles curtiam aquilo.Outra coisa era ele, que nem bebe, nem fuma, ficar ali. Desnecessário.

Depois eu só pensava nisso, na faculdade. Eu sei que isso tudo já tá mais do que passado, que já não é sem tempo que eu esqueça de uma vez por todas essa história de amigo hetero, mas é que tem sido difícil. Tudo o que ele faz ou deixa de fazer me afeta e parece destruir o meu dia.
Ouvindo: Sinceramente - Cachorro Grande

4 críticas:

Menina da lua disse...

Esse seu amigo hetero tem história, viu?!
Por que vc não perguntra logo isso pra ele???

Bjinho

Nadezhda disse...

Como já comentaram, por que você não fala com ele? Quem sabe ela não te esclareça algumas coisas.

;)

Luiz C disse...

tbm concordo, pergunte pra ele, não tem nada demais... boa sorte cara!!!!

Alan... disse...

Amigos héteros... Esses dão história msm!

pergunte pra ele (4)

Abraços e obrigado pela visita!