Sobra

quarta-feira, 15 de outubro de 2008
Artesanato de Antonio de Castro

A viagem ainda ecoa na minha cabeça. Não sei se pela importância que teve ou se porque ainda estou na fase de contar sobre a aventura de conhecer pessoas em ouros lugares para os meus amigos.

Mas, sim, teve muita importância. Por ter sido a primeira vez que viajei completamente sozinho, para a casa de um quase desconhecido, sem ninguém íntimo me esperando. Pelo fato de poder andar como homossexual sem medo de ser encontrado por um vizinho ou um amigo das minhas tias e etc. Por isso e por tantos outros motivos que fizeram desse fim de semana algo que nunca vou esquecer. A não ser que se torne algo corriqueiro na minha vida encontrar pessoas da internet e me hospedar na casa de gente que eu nunca vi.

Mas mesmo tendo vivido tudo isso, tanto ou mais do que eu tinha imaginado que viveria nesses três dias com o Foxx e seus amigos mineiros, mesmo assim uma pontinha de inveja me corrói o âmago.

Um colega de trabalho, o que se assumira perto do carnaval e que parecia por muitas vezes ter um caso com o meu ex-namorado, depois de ouvir toda a minha história – distorcida, é claro – decidiu me falar sobre o final de semana dele.

E, se o meu foi de liberdade no bairro da Liberdade, o dele foi de liberdade na Parada gay da minha cidade.

E isso me deixou com um pouco de inveja. Eu perdi.

Sim, não tinha pensado nisso até ouvir hoje as histórias da parada. Nem mesmo enquanto eu lia os posts do Râzi sobre o evento. Mas senti hoje quando ele me falou de como tinha sido. E quando imaginei que meu medo de ser descoberto é tamanho que tive de sair da minha cidade – que, diga-se de passagem, é linda (para você, Foxx) – para poder me sentir homossexual, enquanto há 40 minutos da minha casa acontecia o maior evento de orgulho gay do ano.

Não que o meu final de semana tenha sido ruim, muito pelo contrário. Eu A D O R E I. Mas eu poderia ter feito o pouco que fiz lá na minha cidade, sem me sentir culpado, porque na verdade, é isso mesmo, eu não tenho culpa de nada.

“Como pode ser errado seguir esse caminho se esse é o único caminho a se
seguir?”



Só sei que fiquei com um pingo e inveja dele, que pôde aproveitar tudo o que a parada teve a oferecer, porque pelo jeito foi bem legal, sem nem precisar esperar seis horas de viagem ouvindo mp4 e lendo Esaú e Jacó.

É uma eterna insatisfação da minha parte, eu sei, eu sou mesmo assim. Nunca nada está bom. E o pior é que eu tenho consciência disso. Só que é impossível mudar. Impossível.

Ao menos agora eu sei que vou conseguir dinheiro, ainda que demore um pouco. Eu devia era ter perguntado se um dia eu terei coragem de me assumir homossexual e poder desfrutar da minha independência e da minha orientação sexual como qualquer outro heterossexual faz.

Ouvindo: I’m a Terrible Person –Rooney

7 críticas:

Leo disse...

Ah kra... se serve de consolo eu tava aqui do lado também, e não fui na parada.
Sei lá... pode ser que daqui há uns anos eu esteja lá, empolgadão. Mas hoje, não sinto essa necessidade de levantar bandeiras. Eu já tenho muita dor de cabeça lutando contra os meus próprios preconceitos e incertezas. Não tenho energia pra lutar pela causa também.
Pra ser sincero, acho até que a parada ajuda um pouco a aumentar o preconceito, porque esfrega algo que muita gente abomina na cara delas.
Mas acho legal que você pense em se assumir. Independente de estar ou não levantando bandeiras, por VOCÊ, eu acho que é algo que devia fazer.
Um dia a gente chega lá! Transformação terminada! Gay por completo! hehe
E só mais uma coisa: Esaú e Jacó?! Sério?! Não tinha nada mais light? Sei lá.. tenta O Código da Vinci ou algo assim! rsss
bjs

Tanta Coisa! disse...

Querido pequeno diabo: Dar tempo ao tempo é o melhor remédio. mas pela tua isatisfação com o "armário" e pelo teu desejo de liberdade, acho que se assumir vai ser um caminho natural. Não que isto seja melhor ou pior que ficar no "armário". Mas que torna a pessoa mais livre, isto torna. Mas cada coisa em seu tempo... Bj

A.azul disse...

Ei..
que bom que vc fez essa viagem e foi legal. Não fica se remoendo porque vc perdeu a parada, e daí? É igual carnaval, todo ano tem..
Eu to MUITO longe da internet, mas muito mesmo, é que tá difícil o negócio aqui, muita coisa pra fazer, muita matéria pra estudar, correria demais.. Aí, eu decidi ficar afastado do computador, pq eu sento na frente dele e passo horas, entãotava me tomando um tempo que eu não podia ficar perdendo.
Mas vez ou outra eu marco a minha presença!

Nadezhda disse...

Tenho um pouco disso também. (Mas se a viagem foi ótima, então não foi nada jogado fora ;)

Râzi disse...

Olha,não se fique achando que perdeu algo!

E tem parada todos os anos... e até mais de uma vez por ano, parece!!!

Abração!

FOXX disse...

impossível não é uma palavra mto pesada não?

Rafaela Abreu disse...

Menino, deixa disso!
Não precisa querer ter tudo de uma só vez... lembra quando você escrevia post's bem melancólicos?
Eu lembro!
Consegue perceber como tudo se acalma, embora demore um certo tempo?
Você é muito grande, eu sei disso!
E a parada... ano que vem tem de novo!


Abração.