email

sábado, 20 de dezembro de 2008
Artesanato de Antonio de Castro

Esse email não é tão carinhoso quanto o que você me mandou há alguns dias. Na verdade, não é nem um pouco carinhoso. E eu aproveito para começar pedindo desculpas. Por estar sendo tão covarde. Sim, eu estou terminando com você desse jeito.

Preferi escrever um email, pois só assim conseguiria me expressar da maneira certa. Só assim conseguiria explicar o que sou capaz sobre o que estou sentindo para terminar as coisas entre a gente desse jeito.

E o que consigo explicar é muito pouco.

As coisas não vão acontecer entre a gente. Ainda que nós nos esforcemos. Não vai acontecer. Nós não combinamos. Não temos muito em comum, não temos os mesmos gostos, nem uma vida parecida.

Queria poder dizer que tudo está perfeito, que o que eu mais quero é viajar com você para Cabo Frio e passar cinco dias com você. Mas não é o que está acontecendo dentro de mim. E sinto dizer que não é algo que eu possa manipular ou que qualquer um possa. Esse tipo de coisa não se escolhe.

Infelizmente eu não sou feito para você. Você, sem dúvida alguma, é uma pessoa brilhante, que merece alguém a sua altura. Alguém que goste de verdade de você e que queira dividir os mesmos sonhos que você.

Esse alguém não sou eu.

A culpa não é sua, nem minha. Mas parando para refletir simplesmente percebi que isso, nosso namoro, não iria a lugar nenhum. Pois nos faltava o calor dos apaixonados. O que existe é um carinho imensurável pela sua pessoa da minha parte e uma consideração que não houve jeito de manter nesse momento – o do término de uma relação.

Talvez você fique com raiva de mim, talvez dure muito tempo ou não. Eu não sei, nem tenho a pretensão de saber. Só quero que você saiba que foi muito bom te conhecer e que você foi peça fundamental da minha vida. Os momentos que passamos juntos foram ótimos. Divertido e romântico. Mas sem a conectividade que une os casais.

Peço desculpas pela maneira como estou fazendo isso, mas não seria capaz de dizer metade das coisas que estou te dizendo na sua cara. Talvez por vergonha ou por incapacidade mesmo. Mas, se há uma coisa que o que sinto não é, é desrespeito e falta de consideração.

Deus sabe o quanto me dói escrever essas palavras. Deus sabe o quanto difícil é fazer algo tão constrangedor e chato com uma pessoa cujo coração prezo imensamente. Esse pouco tempo em que dividimos intimidades foi bom para mim e espero que tenha sido bom para você também.

Mas não irá ser mais que isso. É algo sem destino. E no futuro talvez você perceba que eu estava certo ao fazer o que estou fazendo.

Espero que você encontre alguém que te mereça.

Espero que você não me cobre maiores explicações, não me ligue por enquanto. Por favor. Eu preciso ficar sozinho por um tempo e você também.

Desculpas mais uma vez

6 críticas:

Nadezhda disse...

Vi o fim do meu namoro nesse email. (Só que eu não dei todos os motivos. Por isso que hoje fingimos que não nos conehcemos).

;)

Leo disse...

Acho que vc conseguiu se expressar bem. Sem destruir totalmente o mundo dele.
Foi a coisa certa a fazer...

Enxaqueca disse...

Mas... vai ser assim, sem ao menos permitir uma réplica? Não sei se é porque eu já fui o outro lado da história, não consigo ver muita justiça nisso não...

Klero disse...

ouch
me fez lembrar de um e-mail que mandei... há anos!

Pollyanna disse...

ah naao!! eu nao concordo, como assim, por e-mail, Pequeno?
=/

Paul disse...

Talvez por email seja um pouco rude demais. mas entendo, as vezes é a única forma de expressar o que realmente queremos.