LEIA PELO MENOS ESSE E-MAIL, É IMPORTANTE

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008
Artesanato de Antonio de Castro

Li o seu e-mail. Bem, se você acha que é melhor assim, não tenho muito
a dizer. Não estou com raiva, é claro que fiquei chateado, mas entendo você,
pois isso já aconteceu uma vez comigo também.

Queria acertar
com você a questão da reserva. Não sou materialista (acho que deu pra
você perceber isso), mas é que o valor foi considerável e não é justo
que eu arque com esse prejuízo sozinho, até porque a reserva era para nós
dois. Queria te pedir que você depositasse metade desse valor na minha conta.
Acho que isso é o mais justo a se fazer.

No mais, Feliz
Natal, Feliz Ano Novo e tudo de bom pra você



E essa foi a resposta que eu tive.

Curta e grossa, sem rodeios e sem maiores calores. Confesso que até preferi que tenha sido assim. Tudo uma questão de reserva de hotel. Menos dor de cabeça do que pensei que teria.

O dinheiro já foi depositado e sinto que finalmente não tenho mais com o que me preocupar. De novo sem namorado, mas sempre pensando no velho ditado: “Antes só do que mal-acompanhado”. Não que ele fosse uma má companhia, longe disso, ele não era, entretanto acho que ele não era a companhia adequada.

Eu não estou preparado para namorar um menino que não sente prazer no sexo, que não dorme tarde, que não gosta de sair para dançar, que nem gosta de dançar.

Não estou preparado para abrir mão de tudo isso e talvez ele não seja a pessoa que merece isso. Não me sinto arrependido. Não penso em voltar atrás. Ainda que, parando para pensar, eu perceba que estou mais uma vez sem ter o que fazer no Ano Novo.

Só que o Réveillon é só uma noite. E não seria justo viajar, passar uma semana com ele, fingindo que tudo estava bem para que as coisas não ficassem constrangedoras para nós dois e quando voltar mandar o fatídico e-mail. Pois eu não teria coragem de dizer na cara.

Sei que algumas pessoas ficaram decepcionadas e que essa nem de longe é a melhor forma de terminar uma relação, mas eu não tinha escolha. Eu fazia do jeito que fiz ou não fazia. Iria empurrar essa situação com a barriga o quanto fosse possível empurrar.

O Natal veio para esquecer essas coisas. Comida, encontro de família, primos reunidos mais uma vez, uma criança na família e sua espera pelo presente do Papai Noel. Coisas que há muito tempo eu não vivenciava. O Natal propriamente dito, de reunião.

Foram dois dias bons, que serviram para eu perceber o quanto sou diferente do que era há dois anos atrás. O quanto as coisas mudaram na minha vida e na minha essência. Não é fácil transformar tudo o que se passou em palavras de mais um parágrafo do meu post. Foi grande, foi importante.

Acho que hoje, ainda que eu seja o tipo de pessoa que termina através de um e-mail, eu sou uma pessoa melhor.

Ouvindo: Down em Mim – Barão Vermelho

5 críticas:

Nadezhda disse...

Você não é o único a terminar um relacionamento pela internet.

É muito melhor do que empurrar com a barriga.

;)

FOXX disse...

vc fez o correto
pare de se martirizar

Theo disse...

Concordo com o Foxx.
Acho que vc fez a escolha certa, ainda que, muitas vezes, não pareça.
Não se sinta culpado por isso!!
Vai ser melhor para os dois...

Abço ^^

Ah... ainda não tinha vc add no blog! Agore tenho! hehe

Rajeik disse...

Ja passei por isso.
Não se consegue empurrar um relacionamento por muito tempo,vc pode até conseguir em certo ponto,mas as coisas vão ficando sufocantes,é como se fosse um tipo de tortura,até vc ver que o melhor é terminar tudo,mesmo que o outro sofra,mas o alivio é compesador.

=/

Abração!

obrigado pela visita!

Angelus Gautama disse...

De novo sem namorado, mas sempre pensando no velho ditado: “Antes só do que mal-acompanhado”.


Mas sempre fica uma ponta de carência e o medo do tempo que passaremos só, não?

... pelo menos comigo é assim.