Insônia

domingo, 19 de julho de 2009
Artesanato de Antonio de Castro

Ontem à noite eu bebi sozinho em casa. Sozinho não, a minha mãe estava do meu lado. Ela podia estar orando por mim e eu bebendo, mas ela estava ali. Eu bebi cerveja, depois parti para o vinho, depois a vodka com um resto de soda que tinha aqui em casa e depois a vodka sozinha. A soda acabou.

Liguei a Adriana Calcanhoto e cai na fossa com a minha mãe ali, do meu lado. Reclamei de tudo, me embebedei e por diversas vezes a frase “Eu não sei pra onde eu caminho, mãe!” saiu da minha boca.

Ela ficou assustada. Ela pode não saber que eu sou gay, não saber dos meus últimos pecados, nem da minha maratona virtual, mas ela sabe do meu drama! Isso ela conhece. Coisas de mãe.

Ela ficou ali do meu lado, enquanto eu enchia e esvaziava copos de álcool pra passar o tempo. Enquanto o cd da Calcanhoto acabava e eu colocava o do Roxette. O Roxette canta músicas tristes e românticas, mas os anos 80 me faz imaginar que tudo era tão feliz. Aquela pancadinha moderna não me faz ter vontade de cortar os pulsos.

Liguei pra uma amiga minha, mandei mensagem pra outra e escolhi um namorado virtual para perturbar naquela noite. Escolhi também um ex-namorado da vida real. O mais recente é sempre o mais gostoso.

Ele era tão gostoso! Ele era loiro, ele era adulto, ele era rico. E o sorriso dele então! Ah, meu Deus. E eu to sozinho aqui agora. Sozinho, não. Eu olho pro lado e vejo a minha mãe. Numa atividade dispensável de perseguição a ex-BBBs. Ela ficou tão chateada com o fim do namoro da Francine e do Max. Ela veio desabafar isso comigo, na quarta-feira.

E eu pensando na minha solidão sem fim. Na hora me deu vontade de colocar fogo na minha mãe. Agora eu caio na gargalhada. Ela é louca. E eu também. Por que que merda de solidão é essa que eu inventei que eu tenho que entrar no chat todo dia?!

Ah, isso de chat acabou. Pelo menos por enquanto. Eu já enchi muito meu MSN com pessoas que conversam muito. Quando essa fase passar e esse povo que adicionei agora se cansar de mim, eu reciclo.

Eu podia fazer Reciclagem esse semestre, na faculdade. Seria uma boa eletiva e eu acho que já conta por uns 4 créditos dos 15 que eu tenho que fazer e ainda não fiz nenhum. A vodka está acabando também. Esse não era o plano. Essa vodka era para ocasiões especiais, quando amigos bêbados estivessem em casa...

Não agora, eu e minha mãe. Ela me olhando com pena. Eu ouvindo Roxette com ódio dos anos 80. Tirei o cd do Roxette e coloquei umas músicas do Chico Buarque que tenho no meu i-pod. Até o Fim, Tonga da Mironga, Meu Caro Amigo, Sem Compromisso.

Parei de beber, ainda que meu copo estivesse cheio de vinho. Eu adoro segurar copo com vinho. E fiquei tentando lembrar o que estava faltando pra eu ser cult de verdade. Beber vinho, numa cadeira de balanço, ouvindo Chico Buarque e lendo. Era isso! Ler.

Peguei um livro da minha estante, um que esta na lista dos que eu ainda tenho que ler. Memorial de Aires. É Machado de Assis, né? Há de se valorizar. Mas eu não queria ler aquilo. Larguei sem nem abrir e peguei outro. Os Contos de Beedle, o Bardo. Vergonha de mim. É livro auxiliar do Harry Potter. Foda-se. Era aquele ali que eu queria ler.

Dormi na cadeira de balanço. Com aminha mãe do meu lado. Acordei umas duas horas depois, com um hálito horrível e sem sono. Já se passaram oito horas desde que acordei e não consigo dormir. Eu estou com problemas mesmo!

Ouvindo: Breathless – Cat Power

9 críticas:

FOXX disse...

bem... vc naum está com problemas pra escrever... eu qria escrever tão bem!

Goiano disse...

ok
respira
e uma pergunta fica no ar: desses contatos todos nao escapa nenhum pra uma namoro real?

Rafaela Abreu disse...

Eii, calma!
Quando for beber ,tome só o vinho...

Que o tempo passe!

Arsênico disse...

Que bom que vc ainda conversa com sua mãe... eu já não tenho mais esses momentos... me distanciei da minha família como o Sol de distancia da Lua... apenas nos falamos durantes raros eclipses...

***

umBeijo!

Gay Alpha disse...

Mãe é mãe! E da próxima vez que fro beber... me chama... haha!!!I'm back! Hugz!

Mauri Boffil disse...

ai, beber sozinho não...
quando for beber me chama

Theo disse...

Ow... drama e humor num mesmo texto!
Imagino q tenha sido realmente assim! hehe

Eu, sinceramente, busco uma conversa com minha mãe. Ela não bebe, nem me acompanharia enqto encho a cara. Ao mesmo tempo, tento evitar esses momentos de conversa, de solidariedade...

Só digo três coisas:
Foda-se a Francine. Queria o Max pra mim.
Machado de Assis e bebida, certamente não combinam...
Ouvir Roxette quando se está deprimido e bêbado pode terminar em tentativa de suicídio! hehe

Abço ^^

Diego Yorkes disse...

Não beba, ou pelo menos quando tiver vinho me chame e veremos a pequena queda de um garoto. Nem vou ligar ... já que tem Cat Powe mesmo.

(:

gostei do blog

Paul disse...

Vou te dizer, beber assim do lado de mãe, é raro! Me pareceu que ela estava sendo compreensiva com sua dor.

E quando precisar afogar as mágoas assim, call me. Sou super disponível no quesito conversa+bebida!!